Ocorreu um erro neste gadget

terça-feira, 29 de dezembro de 2009

dê sejos

quero algo assim
como o tempo

vem pra sempre
passa e não termina
repete, desafina.

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

dê novo

gritos
tento ouvir
não consigo ouvir

buracos
bonitos e silenciosos
não posso evitá-los

aperto minhas mãos
deixo as quente
não estou com medo

mãos novas, por favor
esta acabando, tudo só
está se acabando só

barcos
balançando, contra maré
machucados por acidente
umnovo coração de raspão

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

covardia

sim, não sou eu
eu sempre estive aqui
pode me ajudar?
preciso sair
de nada

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

sorriso

tanto esperei
foi tão bonito
bem perto

no outro dia
acordei
nem era você

como antes
sozinho sonhei

domingo, 13 de dezembro de 2009

real emotional trash

quando eu te perco
vôo de volta
busco meu eu sozinho
debaixo do meu eu
que o vento levou

eu sempre volto
tentam me ensinar
mas sempre, eu já sei
falso retrato explica

só queria esse amor verdadeiro
que dizem na tv e nas músicas
ir e vir, pensar e falar
pra alguém de verdade, ouvir.

ps: que coisa fofa né, diz ae.

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

perdedores perdem

eu não queria, mas eu sinto sua falta
eu queria me calar, me esconder, até lutar
mas prefiro ficar do lado que vai ganhar dessa vez.

vem orgulhovamos passear por ai

sábado, 28 de novembro de 2009

nuvens carregadas.

era já tarde decidi ir pegar um filme o tempo estava meio escuro, convidativo há uma boa caminhada. só meu all-star batendo nas poças e o som ecoando no meus ouvidos, faltava alguma coisa mas era irrelevante agora. andei bem mais que esperava, os versos gritavam dentro de mim numa vontade insana de correr. correr pra lugar nenhum.
o que faltava era só minha câmera, as nuvens carregadas contrastavam com o verde pálido das árvores na nossa cidade solidão. soava vazio e bonito. perdi boas fotos, mas fica pra próxima. :) me senti um cachorro e eu adorei isso.
vou terminar essa noite com um filme fofinho, abs.

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

"quem sabe amanhã, próximo ano"

Hoje, depois que todo mundo dormiu eu vim escrever. escrever nesses dias que doem as pernas e ficar sentado dói o coração. por mais que vá parecer, esse texto não é pra você, é pra esse maldito tempo que eu deixei passar desde da noite que eu notei que isso não era normal que eu devia ter saído da minha casa e ter ido a sua, mas eu fiquei esperando o tempo me convidar que não aconteceu, ou eu não ouvi. havia um medo guardado aqui dentro, que se você não não acredita que sua voz é mais alta, ele implode numa grande dissonância que te deixa surdo e vendo por olhos que não são seus. hoje nada fez sentido, mas eu não me sinto triste ou algo do tipo, me sinto incompleto. hoje o chiado ficou tão baixo quanto o vazio que ficou aqui. ficou o som da solidão que nem minha guitarra ou minha playlist deve curar nessa semana. semana até importante pro meu futuro -tenho que me dedicar em todo caso- que lá no fundo me sinto preparado pra ela.
Nesses últimos meses criaram uma imagem minha que acho que sem me dar conta me transformei nela, a imagem de alguém triste que não sorri. Minha família é GIGANTESCA amo muito ela, tenho os melhores amigos do mundo, meu trabalho não é ruim em um todo e apesar de tudo, sei que não sou o fracassado que interpretam pelo meu rosto. mas nesse ano isso não foi suficiente pra me fazer fechar os olhos e sorrir. eu achava que sabia o que falta e de tanto procurar quando eu achei e fiquei sem saber o que fazer, maldita confusão. tenho um passado que vive passando na minha frente, mas ele não soa tão salvador que me faça ter vontade de te-lo de vota que talvez esse seja meu erro, talvez. Mas uma coisa valeu a pena em tudo isso, nunca me senti tão amadurecido como nesse ano, minha visão aumentou em muitos, muitos mesmo.
E com esse mimimi todo que espero que esse ano acabe logo, que seja calmo, que seja com minha família e amigos e se pa umas bebidinhas, hhaha. hoje eu perdi, mas pelo menos fiz o que pensei o dia todo. e eu acho que nem vou sentir sua falta.

E pra quem se sente assim, eu indico um projeto que vem fazendo minhas noites: o BRIGHT EYES, do conor oberest folkzão heartbroken de muito bom gosto. termino com um trechinho de poison oak do disco i'm Wide awake, it's morning.

"the end of paralysis, I was a statuette. now i'm drunk as hell on the piano bench and when i press the keys it all gets reversed, the sound of loneliness makes me happier"

ps: como eu queria estar bêbado agora, hahahaahaha.

terça-feira, 17 de novembro de 2009

voz do meu violão.

blem, não muito blem, blem
por estar só sol, sol
liberdade pra cantaro lá,lá
lar, pode vir, faça ele aqui em mi,mi,mim.

domingo, 15 de novembro de 2009

coelho medroso

o raposa vem
correndo, farejando
com seus olhos grandes
e sua boca perigosa

o coelho vem
se escondendo, medo
medo, medo, medo
fecha seus olhos
e cava seu buraco

lá dentro
quase nada pode atingi-lo
só o tempo e ele é cruel

e passou
luz não viu
água não tomou
afogou-se de covardia

casinha de barro

era meio assim
como passarim
liberdade de poder voar
sem preocupar

me vi meio assim
sem espaço
tratei de voar
pra outro lugar

lá eu encontrei
um belo lugar
antes de eu chegar
casinha de barro
se fez desmoronar

TOP 5

http://timforsale.blogspot.com/2009/05/instabilidade-instabilidade.html

http://timforsale.blogspot.com/2009/08/apenas-leia.html

http://timforsale.blogspot.com/2009/08/ultimas.html

http://timforsale.blogspot.com/2009/07/tempo.html

http://timforsale.blogspot.com/2009/05/certain-romance.html

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

eu sei que é tarde, mas vem.

andando, escrevendo, regredindo, crescendo, mudando, 1991, nascemos, recriamos, amamos e desistimos procurando, tropeçando... assim, eu vou me recriando. se a forma não te agrada eu te peço um favor, escolha, mas não vá embora. talvez eu só procure a perfeição, eu tenho medo dela despedaçar (o que provavelmente vai acontecer) quando eu a tocar. mas esse medo esta indo embora. não veja essa perfeição como inatingível, pois, não estamos falando das mesmas coisas. as vezes eu me vejo regredindo a 1998, mas estou só tentando ser você. enfim, reproduzimos, conhecemos, encontramos, desperdiçamos, escolhemos, erramos, desejamos, esperamos, nos transformamos de idealismo em idealismo. -ano- encontrei razão só quando um impulso, subverteu o fantasma dentro de mim. nunca ri tanto. mas aquele não era eu, como esse também não é. esse sentido solitário e espontâneo, com livre acesso ao meu passado e a voz que o guarda é o que eu quero. quero esse sentimento de volta, mas usando apenas a mim mesmo e sendo apenas eu mesmo. mas talvez isso dependa que vocês fiquem por aqui mas um tempo.

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

escrevo assim

escrevo assim inquieto
desejos assim, discretos
que destoam minha razão.

escrevo assim,
não tão concreto
hedonismo assim complexos
que escondem um coração.

escrevo assim da vida
ela assim de rotina
que o tempo vai levar.

quinta-feira, 17 de setembro de 2009

onirízando

enfim, enfim, enfim
pra me acordar
ora, não sei, o que vai calar
será, será, será
eu tinha mais medo que vontade tocar
já que aqui não é dormir
é relatar, sonhar e acordar

domingo, 13 de setembro de 2009

it's all to much

Na direção dos pés, ia o olhar, a razão acompanhava a competição que ela mesma criou. Adversários que eu não conseguiria vencer ou nem fizesse questão.
Assim desacreditando, eu ia andando. Sem pensar, sem sentir, sem falar. Mas quando a calma tomava sua melhor forma. Algo silencioso e raro veio a invadir, era rápido e não suscitada medo, pareciam os ponteiros do relógio com seu som contínuo dentro da minha mente, me pedindo pra tentar. Mas teimoso eu só tirei a pilha e voltei a dormir. Falsa noite silenciosa, o tic e tac estava dentro do meus próprios olhos, então eu os abri e fiz o que eu mesmo me ditava sem querer.
Os dias começaram a passar, eu já começava a odiar a idéia de que aquilo seria outro naufrágio. Meu barco de vela cega continuava e o mar parecia seguir caminho paralelo, eu comecei a pensar que não era tarde demais pra ter fé e coragem. E então pra não mais me encher com aquilo comecei a pensar em tentar de outro jeito, quem sabe.
Fui eu adiando e a cada quadro me sentia andando em círculos. Mas o céu talvez esteja ali, e os malditos Beatles dizem que é tudo que eu necessito pra voltar a acreditar. E eu mais do que ninguém sei disso. Só preciso encarar que no fim eles mesmos me disseram que tudo acaba bem.

ps:roubei uma ideiazinha ferns.

terça-feira, 8 de setembro de 2009

terça-feira, 25 de agosto de 2009

antologia perdida

assim por um meio
meio sem jeito
você, encontrar

antologia perdida
por não terminar
começo do meio
pra não escapar

sábado, 15 de agosto de 2009

apenas leia

quem sabe eu tente outra vez
sem moldar ou idealizar
sempre aparecem mesmo

gosto de ser implícito
mas dessa vez, eu acho que vou
escrever na minha camiseta.

segunda-feira, 10 de agosto de 2009

caindo e caindo

caindo
caindo sobre o nada
espeta e corrói
as vezes demora, as vezes voa
como se vence?

segunda-feira, 3 de agosto de 2009

últimas

entusiasmo
se tudo é relacionar
eu não consigo
tudo soa tão clichê.

domingo, 26 de julho de 2009

tempo

eu me perguntando
na minha? como de costume

solte, sopre, diga
pense, acalme-se
acontece, não pare.

não durma, não finja, faça.
não precise de ajuda, procure.
chove, sim. tempo, não.

não quero esperar mais uma vez.

sábado, 25 de julho de 2009

tranquilidade

não olho
não sigo
me seguro
me viro
não digo, acredito
me perco.

ps:bloger buga o alinhamento. :/

quarta-feira, 22 de julho de 2009

super herói

presumindo, eu existo
não acredito mas persisto
brincando com meu super herói
meu guardião, super sozinho.

domingo, 12 de julho de 2009

acaso.

Enquanto brincávamos de contar estrelas, a lua parecia refletir no seu rosto. Você maravilhada com o brilho desses pequenos pontos que a sua criatividade transformava numa epopéia que de tão complexa só podia ser compreendia pela essa sua mente, incendiada de sonhos e ideais perdidos no passado, que só você e eu acreditávamos.
Ouvindo beatles brincando com seu cabelo, o copo do adorado iogurte de pêssego sempre a mão, parecia preferir o sossego do quarto o som de si mesmo que ecoava nos meus ouvidos como essas melodias chatas e pegajosas. Ignorava toda cidade a sua volta, talvez por não se interessar por alguém ou algo nela, queria liberdade para ver o por do sol, de ouvir sua música favorita sobre um sofá quentinho e beijinhos no rosto. Sua simplicidade impressiona.
Eu aqui com os óculos da alma em meio ao escuro alcoólatra, aceitando a mim mesmo. Esperando a ameaça maior, A AMEAÇA MAIOR.

quinta-feira, 9 de julho de 2009

casa no campo

calado, jogando pedras pela lua.
sorrindo, estranhamente sorrindo.

Em uma casa onde a carne e alface são o almoço diário, onde o azul é preto e o marrom é branco. olhos cansados mas incessantes, fundos pra teimosia da sorte a um pôr do sol sozinho onde só os heróis do prumo vêem brilhar.
Um que a cabeça baixa não é tristeza é sonho de liberdade singela que esconde um sorriso pra dois abraços. Que brincando com as tentações, cedeu, e resolveu voar. voando carinhosamente sobre você, que por ali ainda brinca de sofrer.
Que a confiança em si próprio é tão maior, que as vinganças planejadas. ser grande talvez não seja ser incompreendido, ser grande pra mim é superar as próprias idealizações, ser grande é ser você além de tudo, inerte ou variável, estético ou estranho.

ps: haha, enfim tive tempo de postar. :D
bom, passei esses dias ouvindo muito blur, marisa monte, belle and sebastian e franz ferdinand que já é de praxe. Em Pseudo-férias, pretendo aproveita-las vendo filmes água com açúcar e lendo algo interessante que não encontrei/procurei ainda.
vou trocar esse layout, esperem.

domingo, 7 de junho de 2009

amanhã, próximo ano...

Bom, o que é ser feliz? É ser condicionado ao confortável, apenas ignorar o que lhe é difícil. Suportar como um cavaleiro com arma e escudo e vencer pode ser muito desagradável e desgastante. a algum tempo preferia apenas me guardar, colocar atrás da TV ou do computador minhas frustrações, em certos momentos até volto a pensar assim, querendo apenas ficar na frente do computador, vivendo minha pseudo vida feliz... Mas no fundo, quando mais perto do meu bem estar mental, Depois de um bom tempo acordado e já conformado com minhas obrigações diárias, sinto que me esconder assim é fácil demais.
Qual seria a graça de viver, se todos fossemos felizes? Conseguíssemos tudo o que desejássemos sem esforço algum, Se tudo caísse do céu.
Não quero ser heróico, não quero mudar o mundo. Queiro reinar sobre os meus desejos, “quero o perigo autêntico’’, sem idealismos, só a liberdade “de poder fechar os olhos e sorrir".

ps:se quiser entender melhor ouça a música tudo que eu sempre sonhei do pullovers. Kurosaki, espero que entenda esse post. D:
Fernando, ainda escrevo meu pensamento sobre as árvores!
Esse post era pra ser muito maior, mas ninguém iria ler dai, né. se ficar meio vago, critiquem. adoro esse meus ps, é tão falso. XD

sábado, 30 de maio de 2009

lembranças

De longe, lembrava até o velho mundo de idealizações e cores efusivas, escondido, se via cercado de folhas de rara beleza, se concentrava em guardar suas memórias, tirando tudo que havia dentro de si, escondendo as do mundo indo navegar na lua, a realidade se fixava ao papel se transformando em tesouro, que por mais distante, mais profundo,
Sempre estarão ali, presas ao papel como naquele momento, em outra cor, mas com mesma beleza, superficialmente retiradas do seu interior.
Afinal, onde estão as lembranças?

Melhor, para que elas servem?


psextenso:bom, to quase morrendo de dor de cabeça, gripe fdp, mas mesmo assim eu não consigo ser concreto. talvez tenha ficado um pouco confuso, né?
o ultimo texto, ficou pseudamente sem final mesmo, um dia eu explico melhor o que realmente iria acontecer. Até parece que alguém se importa, mas... beijones até a proxima pessoal.
interna:hey (?), bom tempos aqueles, hein.

sábado, 23 de maio de 2009

a certain romance

Sob a raiva, acordava ao som do despertador, que parecia tomar toda sua cabeça, logo arrumava sua cama ainda com o ruído em seus ouvidos, era outro dia de...

- azul ou marrom?
- azul ou marrom?
- azul... Não amarelo.

Escolhia cor da sua roupa com a mesma indecisão e indiferença, que levava a vida. Seguindo se dirigia ao espelho, onde apenas olhava-se no espelho e lavava seu rosto
No café se perguntava:

- pães ou biscoitos?
- pães ou biscoitos?
- pães... Não.

Mas não havia outras escolhas, ele talvez só quisesse seguir por um caminho, ele não queria mudar, não queria se adaptar, não queria obedecer, queria se conhecer e acreditar nas coisas que sua mente molda, então ele cedeu.
Voltando para casa de trem, falando com seu grande amigo livro como de costume, não conseguia se concentrar ouvia alguém reclamar baixinho, quase internamente, mas ele não conseguia entender o que ela dizia, depois de um silêncio ouviu:

- when you feel embarrassed then i’ll be your pride ♪

Ao reconhecer, completou:

- When you need directions then i'll be the guide ♪

Logo, juntos terminaram:

- For all time, for all time. ♪

Depois deram rapídas risadas, completamente envergonhados e saíram do trem na mesma estação afinal era outro dia de...

Narrativas, fazia tempo que não escrevia uma. XD
bom, ae tem um trecho da música do Death Cab For Cutie, Passenger Seat.
Banda linda, que não conhece, sai correndo e vai baixar seus animais.
eu tento ser engraçado, aff. D:
bom a tradução seria mais ou menos:

Quando se sentir envergonhada
serei seu orgulho.
Quando precisar de orientações
serei seu guia.
Por todo o tempo

bonito, né?

sexta-feira, 22 de maio de 2009

Gosto sobre Gostos

Não tenho algo de muito interessante para escrever, mas estou um pouco impaciente, e com muita de vontade de escrever.

Bom, vou tentar escrever/falar minha perspectiva sobre gostos, apreços, e zaz. gostos musicais mais definidamente. Não estou aqui pra falar, o que é bom, o que alguém deve ouvir ou alguma coisa do tipo, quero falar de como se perdeu a singularidade musical, como tantas bandas, grupos, whatever, podem soar tão iguais, e tais que acabam sendo reconhecidas.
Mas afinal, uma receita que dá certo não deve ser modificada (sou péssimo em ditados populares, haha)odeio isso realmente, falo mal de muitas bandas sem nem ao mesmo ter ouvido-as, mas quem me conhece sabe meus termos são totalmente em tom de brincadeira, mas não suporto ouvir pessoas criticando, bandas, pessoas, mentes criativas e copiando descaradamente essas próprias idéias de forma porca e sem o mínimo de esforço, e ainda são ''quem leva o prêmio''.
Será reflexo da sociedade atual, que cada vez mais subverte o individual transformando multidões em genéricos de boas pessoas, ninguém pode mudar o mundo sozinho, mas começar de si próprio pode ser um grande começo. sei que parece clichê mas tentar evoluir sempre seja intelectualmente, socialmente, economicamente não custa nada, e não faz mal a ninguém, só justamente o contrário.

ps:Não quero ser o senhor da razão aqui,mas como o blog é meu, nada mais justo que ter minhas opiniões né. :D

ps2: Obrigado Por todos os elogios nas postagens passadas, obrigado mesmo.

domingo, 17 de maio de 2009

como se comportar perante as metas?

Bom, ando meio sem saco para escrever, digamos, falta de paciência, tempo, ou calma, em todo caso, ando sem saco pra tudo, está tudo bem... Mas não tenho vontade de acordar pra trabalhar, estudar, (esse último eu nunca tive mesmo, rs) ultimamente o que anda me fazendo bem é estar em casa ouvindo uma boa música e lendo algo interessante ou falando besteiras com meus amigos.
Sem objetivos, definiria melhor tudo isso. Deixei de sonhar, almejar, sustentar causas utópicas, preferindo as práticas menores, as conquistas internas, buscando calma, calma. Acabei me obcecando por ela, o que acaba por me tornar mais nervoso, o que definitivamente eu não quero, conclui, que possuído desse sentimento, eu tropeço, e rolo milhas atrás, fiquei preso por ele, cai, cai várias vezes, deixando o tempo me ultrapassar, passivo, estagnado em decisões erradas, em crenças anônimas e desentendimentos individuais.
Como mudar isso? Hmn não sei. Mesmo sem vontade, eu vou continuar acordando todos os dias, afinal eu ainda quero viver pra sempre, objetivos e sonhos, apesar tudo, vão e vem, eu não vou mentir que sou um sonhador, mas aprendi que sonhar custa caro, e é esse preço elevado que me deixa acordado.

domingo, 10 de maio de 2009

instabilidade, instabilidade.

Instabilidade, instabilidade. Pode ser o tédio de uma forma lucrativa. Estou à procura da monotonia lucrativa, não o lucro capital e suas conseqüências. Mas o bem estar, o bem viver, a saúde, saúde racional. Melhor dizendo, livre das interferências dos desejos, das sombras que te trazem frustrações, mas não vivendo livre do passado, vendo-o como o nascimento, o ponto de partida, parte do caminho feito e compreendido que traria e explicaria a situação presente.
Calma, calma pra pensar e agir, calma pra viver. Outro retorno do investimento pela busca da monotonia, a impaciência que é traçada, no tempo entre desejo e satisfação, seria substituída pelo planejamento, a espera se transformaria em processo em longo prazo. Só não confunda calma e bem estar, como conceitos totalmente individuais livres das ligações e dependências dos que o cercam. Aceite o desprezo e a indiferença como o menor dos males, afinal, não a lugar acima do primeiro ou abaixo do último.
Está tudo em si mesmo, se você quer pouco terá pouco, se procurar dor sentirá dor, que inspira medo senti medo, já dizia Séneca¹. Não quero feitos ou efeitos, quero bem estar, quero calma, quero descansar, ouvir todos os sons e enfrentar toda escuridão, livre de influencias ou mudanças, quero virtudes, quero respostas, quero saber meus limites, quero ver onde posso chegar, quero entender o que realmente vim fazer aqui.

1.Lucius Annaeus Seneca, Filósofo, Escritor.

sexta-feira, 1 de maio de 2009

troca de palavras

as armadilhas estão por todas as direções

machucam-te e nos derrubam

mas algum lugar está por vir

você não vai parar agora se cair outra vez

acalme-se, eu posso cair..

e rir com você


ps:semanas de provas me broxarão pra escrever

agora vou voltar a ativa, quem fizer uma visitinha deixa seu comentário me xingando, ok?

beijos.


edit :vlw fernando e pc

sábado, 18 de abril de 2009

hello in colors

bom... eu não sou bom em apresentações, tanto que não vou fazer uma.
Minha intenção aqui, unicamente, é a de poder soltar tudo o que ultimamente os dias tem
me levado, sou um tanto quanto careta e subjetivo, se não conseguirem compreender o que estou
tentando dizer, essa era a premissa.

Adoro música, livros, o cinema em suma maioria me da sono.
sou folgado, chato, e idiota. :}

aqui começa minha saga rumo ao desapego, e o céu.

Alguns versos podres em notas sujas, sentimentos rápidos que quase te levam a uma outra dimensão, de razão, dos sentidos, do próprio se conhecer...
Ecos amarelos ocultados em sua voz, estavam prestes a me viciar fixando meus ouvidos nas suas várias palavras vermelhas de ostracismo. Os conselhos caiam por todos os lados, fugindo deles eu corri rumo à aquela cor.
Tive 6 oportunidades para borrar em 6 chances de congelar, apenas uma consegui o objetivo. Levei para casa, escondi junto aos livros e cds velhos. voltei a procura-la ontem, a encontrei no mesmo lugar, segurando-a senti minha frustração refletida no seu interior, estava mais linda que da primeira vez ao fundo sua suja melodia parecia balançar meu quarto, suas cores frias me aqueciam, o meu passado vem em minha direção... como, eu queria muda-lo. Sintia-me em outra dimensão de vários sentimentos interligados a uma decepção, uma surpresa... uma contradição todas no mesmo lugar, todas nas cores que restaram em meus olhos.